Elias

imagem-mestre

O nome de Elias, que significa “o Senhor é Deus” ou “o Senhor é meu Deus”, expressa o caráter e a função deste santo na história bíblica. Trata-se do “primaz” na defesa do monoteísmo. Originário de Tesbi, Elias exerceu seu ministério no Reino do norte, no século IX antes de Cristo, em tempos do rei Acab.

Elias previu e anunciou uma seca de três anos, durante os quais ele se refugiou na torrente de Carit, na Transjordânia, onde os corvos o alimentaram, e depois em Sarepta, 15 quilômetros ao sul de Sidônia onde uma viúva lhe deu de comer; Elias multiplicou milagrosamente o azeite e a farinha dessa viúva e também ressuscitou seu filho. Para evitar a vingança de Jezabel, esposa do rei, Elias foi para o sul, onde foi milagrosamente alimentado por um anjo. De lá alcançou o monte Horeb.

Chegando ao fim de sua vida, Elias deixou Gálgala, seguido de Eliseu e de um grupo de profetas, fazendo paradas em Betel e Jericó, chegando até o Jordão, atravessando o rio a pé enxuto, ao dividir as águas com seu manto. Apenas Eliseu, destinado a sucedê-lo, é que o acompanhou.

O fim misterioso de Elias foi descrito como um arrebatamento por um carro de fogo. Na transfiguração de Jesus no Tabor, Santo Elias aparece junto com Moisés. Elias está unido a Moisés na Antiga Aliança, da qual um é o legislador que afirma e o outro é o profeta que a conserva intacta e pura. A presença de ambos no Tabor testemunhou, na antecipada exaltação de Jesus, que a nova Aliança é o coroamento da Antiga.