Mestre Eckhart

imagem-mestre

Nascido em Hochheim, região que hoje situada no centro-oeste da Alemanha, Mestre Eckhart entrou muito jovem para a Ordem dos Dominicanos, Aos 17 anos, ele estava em Paris estudando artes, que na época incluía lógica, gramática, retórica, música, astrologia, geometria e aritmética. Em 1280 ele vai para Colônia, onde estuda teologia no Studium Generale da Ordem dos Pregadores, tendo como professor Alberto Magno, cientista, filósofo e teólogo aristotélico. Em 1303 passa a ser provincial da Saxônia, região que incluía todo o norte da Alemanha e Holanda, onde existiam 47 conventos de frades e 9 de religiosas dominicanas. Assume grande responsabilidade, incluindo a fundação de novos conventos, a direção espiritual dos irmãos e irmãs e a condução dos negócios e acertos com os senhores feudais.

Em 1310, em Estrasburgo, Eckhart é eleito vigário geral, que vem a ser o substituto do superior-geral dos Dominicanos. Em 1326 tem início um processo inquisitorial contra Eckhart, por supostas doutrinas heréticas. Foi designada uma comissão que seleciona 120 proposições de Eckhart, tiradas do livro Da Divina Consolação, das obras latinas e dos sermões em alemão. Ele protesta contra o método de selecionar frases dentro de uma imensa obra, tirando-as do contexto em que foram escritas. Além disso, pede o privilégio de isenção, conseguido por dominicanos e franciscanos, de ser julgado pela Sé Apostólica ou pela Universidade de Paris.

Termina sendo julgado em Avignon, onde estava o Papa, e antes de se dirigir para lá, no dia 13 de fevereiro de 1327, diante de todo o povo, afirma concordar com as regras e preceitos da Igreja. Eckhart segue para Avignon, a fim de acompanhar o julgamento de sua doutrina por uma comissão. As 120 proposições em que era acusado de heresia foram reduzidas para 28, e ele tentou explicar-se junto à comissão, sem êxito, pois no dia 27 de março de 1329, com a Constituição In Agro Dominico, o papa João XXII condenou as 28 proposições de Eckhart. Mestre Eckhart não assistiu à sua condenação, pois morreu em abril de 1328, em Avignon, e o documento papal já o dá como morto. Mas apesar disto seu pensamento influenciou muitos outros místicos, entre os quais Juliana de Norwich, Teresa d´Avila, João da Cruz, Nicholas de Cusa e Hegel. A partir do século XIX, com a descoberta dos seus manuscritos e o afrouxamento da perseguição por parte da Igreja, sua obra foi sendo redescoberta e sua imagem foi se refazendo a ponto de hoje ele ser reconhecido e venerado como um dos mais legítimos e importantes representantes do misticismo cristão.